Reitoria Itinerante em Três Lagoas conta com entrega de Título Honoris Causa

Nesta semana, no dia 17 de maio, o Projeto Reitoria Itinerante estará no câmpus de Três Lagoas. A programação contará com reuniões com docentes, técnicos e discentes, além de lideranças locais. Na oportunidade a UFMS irá realizar também a entrega do Título Honoris Causa à Educadora Ana Maria Araújo Freire.

A Reitoria Itinerante é um projeto estratégico que tem como principal objetivo fortalecer o diálogo e a integração na Universidade. “É muito importante estabelecer uma política de desenvolvimento institucional integrada para que possamos enfrentar os desafios e assegurar uma posição de protagonista no cenário da Educação Superior do País. Nosso maior desejo é fazer da UFMS uma universidade melhor para os estudantes, técnicos e professores”, explicou o reitor Marcelo Turine.

A cerimônia de entrega do Título Honoris Causa será no dia 17, às 20h, no Anfiteatro Dercir Pedro de Oliveira, Unidade II do Câmpus de Três Lagoas. O Título constitui a máxima distinção concedida pela Universidade a personalidades que se tenham distinguido pelo saber e pela atuação em prol das artes, das ciências, da filosofia, das letras e do melhor entendimento entre os povos. Na UFMS, o título é outorgado mediante a proposta de um ou mais membros do Conselho Universitário.

A entrega à Ana Maria Araújo Freire será pelo conjunto de sua obra e pela relevância de sua atuação na Educação, Ciência e Tecnologia, além de difundir o pensamento do seu falecido esposo, Paulo Reglus Neves Freire, contribuindo para uma educação transformadora. A Educadora possui graduação em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Moema em São Paulo, mestrado em Educação: História, Política, Sociedade e doutorado em Educação, ambos pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

A concessão deste título foi aprovada por unanimidade pelo Conselho Universitário em 15 de dezembro de 2017, a partir da proposição do curso de Pedagogia do Câmpus de Três Lagoas.

De acordo com professores do curso, Ana Maria Araújo Freire já defendia um ideal de educação libertadora, democrática e humanizadora e, com a morte do esposo, continua a problematizar os problemas sociais e educacionais no viés freireano. Foi instituída por Freire como sua herdeira intelectual e, nessa condição, organizou obras, publicou escritos inéditos em forma de livros, artigos ou capítulos de livros, e tem feito conferências internacionais sobre a teoria e práxis de Paulo Freire e sobre a história da educação brasileira, com ênfase no analfabetismo no Brasil, tema de sua dissertação.