Eu Respeito no campus do Pantanal terá mural, debates e exibição de documentários

O câmpus do Pantanal (CPAN) desenvolve ações da campanha “Eu Respeito” no mês de maio. O mote é a Universidade e o objetivo gerar uma reflexão sobre como respeitar e valorizar cada um dos elementos que a compõem: os servidores, o ambiente e o patrimônio.

A programação do CPAN tem início hoje (16) com a colocação de murais “vazios” nas unidades do câmpus, para colaboração coletiva, a exibição de documentários e a promoção de debates.

Murais – Serão afixados em três pontos estratégicos do câmpus: na Unidade 1 – Corredor de acesso à biblioteca (ou corredor de entrada); na Unidade 2 – Hall de entrada; e no Auditório Salomão Baruki – Hall de entrada. Nos murais estará a indicação da campanha #EURESPEITO (UFMS – CPAN) com os seguintes dizeres: “O que é o respeito na Universidade?”. Ao lado, em uma caixinha, estarão disponíveis para preenchimento pelos acadêmicos papéis em branco e canetinhas.

Os alunos poderão colar nos murais sugestões, fotos ou desenhos que identifiquem as atitudes de respeito na Universidade. O intuito é que os acadêmicos se tornem protagonistas na manutenção e construção de atividades a serem desenvolvidas a longo prazo, que visem o respeito dentro da Universidade. A confecção e o monitoramento dos murais estarão a cargo de uma comissão formada por acadêmicos do CPAN.

As sugestões advindas deste mural irão compor um relatório de ações a ser entregue à Direção do CPAN, para que as ideias sejam recebidas, analisadas e postas em prática sob as possibilidades disponíveis, estando inclusas aquelas de longo prazo.

Documentários – Hoje (16) o Coletivo Feminista Classista Heleieth Saffioti realizará o Cine Debate: “Cafundó – as heranças da escravidão no Brasil”, para discutir criticamente a escravidão e seus impactos na vida dos/as escravizados/as e seus/suas descendentes. Já confirmaram presença na condução do debate Edenir de Paulo (ativista do Movimento Negro e presidente do Instituto da Mulher Negra do Pantanal) e Waldson Diniz (professor do curso de História da UFMS/CPAN). Os/as participantes receberão uma declaração de 4 horas de atividades. O evento será no Auditório Salomão Baruki às 18h30.

No dia 18 de maio, às 19h, será exibido o documentário “Eu não ando só” que trata da trajetória de oito professores homossexuais da UFMS. O filme tem 40 minutos e objetiva provocar reflexões e sensibilizar o público espectador sobre os Direitos Humanos preconizados pela legislação em Educação e os Temas Transversais. O documentário é dirigido por Mara Silvestre (Água Comunicação e Eventos), com o apoio do Núcleo de Estudos Néstor Perlongher – Cidade, Geração e Sexualidade, do Impróprias – Grupo de Pesquisa em Gênero, Sexualidade e Diferenças e do Universo Dialógico – Grupo de Pesquisa em Diferença e Linguagem.

Eu Respeito!

UFMS, a nossa Universidade!