UFMS inaugura nove obras na Cidade Universitária

Na oportunidade da presença do secretário de educação superior Arnaldo Barbosa de Lima Júnior, a UFMS realizou nesta segunda-feira, a inauguração de nove obras dentro da Cidade Universitária, localizada em Campo Grande. Além do reitor Marcelo Turine e da vice-reitora Camila Ítavo, a cerimônia contou com a presença dos diretores de todos os câmpus da Universidade e dos diretores do Instituto de Biociências (Inbio), Albert Schiaveto de Souza; da Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Alimentos e Nutrição (Facfan), a professora Maria Lígia Macedo e o professor Wilson Ayach da Faculdade de Medicina (Famed).

Desde 2011, foram investidos mais de 21 milhões para a construção dos blocos do Inbio, Facfan, da Famed, do Teatro da Música, da Cozinha Escola do Restaurante Universitário, o Setor de Bovinocultura de Leite e o espaço para Internação de Grandes Animais, ambos na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (Famez); para a instalação de guaritas e rede elétrica na Fazenda Escola e iluminação nas quadras esportivas.

As obras beneficiam simultaneamente o desenvolvimento do ensino, pesquisa e extensão de 5.500 pessoas, tanto da graduação e pós-graduação quanto dos servidores. O pró-reitor de administração e infraestrutura, Augusto Malheiros, afirma que essa entrega não se configura como uma ação inteiramente voltada para a comunidade acadêmica, mas para todos os cidadãos que contribuem com o funcionamento da universidade pública.  “Tudo isso colocado aqui nada mais é do que os impostos do cidadão voltando para a sociedade. Muito mais do que uma cerimônia, é uma prestação de contas à sociedade que seguramente contribui para esse tipo de realização ou retorno para si mesmo”.

Em 40 anos de federalização, a UFMS está constantemente buscando cumprir com seu papel social, oferecendo uma estrutura moderna e de referência no estado. “É uma felicidade entregar nove obras totalmente finalizadas depois de todos esses anos, e junto com os diretores, poder compartilhar essa emoção da vitória em finalizar um processo licitatório, que normalmente se inicia com um prazo, mas depois de um tempo fica dependente da empresa. É uma vitória”, comemora o reitor.

Texto: Geovanna Yokoyama (estagiária de Jornalismo)