Do sonho à ciência: Ruy Caldas recebe título Doutor Honoris Causa

Até onde um sonho pode nos levar? Para o professor pesquisador Ruy de Araújo Caldas, o seu sonho de ser um cientista o levou de Paracatu, interior de Minas Gerais, para Universidade Rural do Estado de Minas Gerais (UREMG), Escola Superior de Agronomia Luiz de Queiroz (ESALQ) da USP, Ohio State University, Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação (MCTi), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), até a UFMS, onde, na noite passada (4), recebeu o título de Doutor Honoris Causa.

A concessão do Título Honoris Causa foi aprovada pelo Conselho Universitário em 15 de dezembro de 2017, a partir da proposição da professora Maria Lígia Rodrigues Macedo, diretora da Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Alimentos e Nutrição (Facfan). Em seu discurso durante a cerimônia de entrega, Lígia reafirmou os motivos que a levaram a propor o nome de Ruy Caldas.  “Ao homenagear o professor, a UFMS está consistente do papel que lhe é reservada, como Instituição produtora de conhecimento científico, pois ao reconhecer a trajetória de um homem que se dedicou ao ensino e a pesquisa, estamos reconhecendo o valor ciência e o seu legado na sociedade”.

Acompanhado dos familiares, o professor cumpriu todos os ritos da solenidade com muita alegria e emoção.  Ao subir no Púlpito, após receber o título, discursou sobre sua trajetória, lembrando a todos que: sonhar e fazer ciência são duas coisas que movem o mundo. “Fazendo um retrospecto do caminho que tenho percorrido nas atividades de ensino, pesquisa e inovação, creio que tenho aprendido muitas lições ao longo da vida. A primeira está umbilicalmente ligada aos sonhos, sonhar em fazer o bem às pessoas é o vetor que me tem conduzido em todas as atividades em que me envolvi. Viver sem sonhar, é para mim, um pesadelo. E essa minha vontade me ensinou, noutra etapa da vida, as nações se desenvolvem social e economicamente se os Estados Nacionais estabelecem políticas públicas que promovam uma excelente ciência fundamental para o avanço do conhecimento humano”, completou

Para o reitor Marcelo Turine, que presidiu a solenidade e entregou o título, a cerimônia é uma forma de agraciamento a pessoas que se destacaram na luta por uma ciência comprometida com a transformação da realidade brasileira. “Receber o título de Honoris Causa é um reconhecimento de dedicação à ciência, concedido pela universidade brasileira, para as pessoas que se comprometeram com a educação, pensando nela como um instrumento de transformação. E o professor Ruy Caldas é o símbolo desse grande Educador que o Brasil precisa”, defendeu.

Além do reitor, a mesa de entrega do título foi composta pela vice-reitora Camila Ítavo; a diretora da Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Alimentos e Nutrição (Facfan) Maria Lígia Rodrigues Macedo; a presidente do Conselho Curador da Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e a Cultura (FAPEC) Rosana Zanelato; o Defensor Público Amarildo Cabral, representando no ato o Defensor Público Geral da Defensoria Pública de MS Luciano Montalí; o pró-reitor de extensão, professor Airton José Vinholi Junior, representando o professor Luiz Staszczack, Magnífico Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de MS; o reitor em exercício da Universidade Federal da Grande Dourados Marcio Eduardo de Barros;  o pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação, Cristiano Marcelo Espinola Carvalho, representando neste ato o reverendíssimo padre Ricardo Carlos, magnífico reitor da Universidade Católica Dom Bosco; e o Tenente Coronel Elcio Almeida, comandante do Décimo Batalhão de Polícia Militar, representando o Coronel  Valdir Ribeiro Acosta, comandante geral da Polícia Militar de MS.

Conheça o Honoris Causa:

O homenageado é graduado em Engenharia Agronômica pela Escola Superior de Agricultura da Universidade Rural do Estado de Minas Gerais, atual Universidade Federal de Viçosa; mestre em Nutrição Mineral de Plantas pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (USP) e doutor em Bioquímica Vegetal / Cultura de Tecidos pela The Ohio State University (USA). Tem contribuído para a formulação de políticas públicas e execução de programas estratégicos em ciência, tecnologia e inovação no Brasil.

Ruy de Araújo Caldas nasceu em 1940 numa fazenda na região de Canto, em Paracatu (MG). Trabalhou desde cedo na carroça de boi e usina de cana. Estudou os primeiros anos em uma escola rural a seis quilômetros de distância de sua casa e, para terminar o ensino fundamental, mudou-se para a casa de um tio na cidade. Em 1951 passou no exame de admissão e cursou os dois primeiros anos do então chamado ginásio em Paracatu, vindo a terminar os outros dois anos em Barretos (SP), onde voltou a morar com os pais em uma fazenda.

Na volta a Paracatu montou um negócio de horticultura para a família e trabalhou como garçom antes de ser aprovado para o curso técnico da Escola Superior de Agricultura (ESAV). No vestibular alcançou o primeiro lugar com a nota mais alta desde que a Escola de Agronomia da Universidade Rural do Estado de Minas Gerais (UREMG) fora fundada. Após a graduação participou de um treinamento no Instituto Agronômico de Campinas (IAC) e foi convidado a dar aulas na Escola Superior de Agronomia Luiz de Queiroz (ESALQ) da USP. Nesta instituição fez o mestrado e logo em seguida foi para os Estados Unidos para o doutorado na Ohio State University. Nos EUA trabalhou com cientistas renomados e conheceu Linda Hancock Styer, que viria a ser sua esposa e parceira em pesquisas e conquistas científicas. Findado o doutorado o pesquisador voltou ao Brasil onde deu continuidade à carreira ministrando aulas em diversas instituições de ensino superior.

Atuou como professor na USP, na Universidade de Brasília (UnB) e na Universidade Católica de Brasília (UCB); foi professor visitante na Universidade Federal de Viçosa (UFV), na Universidade Federal de Goiás (UFG), na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e atualmente é professor visitante na UFMS. Na UCB além de ter assumido a direção do Doutorado em Ciências Geonômicas e Biotecnologia e a direção do Centro de Ciências da Vida, atuou por um período também como Pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação.

Dentre as condecorações já recebidas pelo pesquisador estão medalhas de honra ao mérito concedidas pela sociedade de Viçosa, pela United States Agency for Internacional Development (USAID), pelo presidente da república do Brasil em 1998, pela sociedade paracatuense e pela UFV. Recebeu ainda a FAO Medal for the Heroes of the Green Revolution em 2014.

Texto: João Costa Jr., com colaboração de Ariane Comineti