UFMS presente na reunião Corredor Bioceânico Brasil-Chile

A UFMS esteve presente na VI Reunião do Grupo de Trabalho sobre o Corredor Campo Grande-MS – Puerto del Norte de Chile, realizada dias 4 e 5 de junho, na cidade de Salta, Argentina. Participaram do evento o Pró-Reitor de Extensão, Cultura e Esportes (Proece), Marcelo Fernandes Pereira e a servidora Flávia Melville Paiva (Divisão de Relações Internacionais – Dirin/Aginova).

O objetivo é dar continuidade aos trabalhos em busca de desenvolvimento social e de produção, por meio de ações concretas, a fim de reduzir tempo de trânsito e custos dos serviços e transporte, visando sua conexão. A ideia é unificar controles, documentos e procedimentos, elaborar programas de gestão, informatização e organização conjunta, de modo a permitir, inclusive, mais facilidade nas ações comerciais, na melhoria da infraestrutura física e social, para suporte aos usuários da rede de transporte e ao público em geral.

Entre os temas das rodadas de reuniões destacam-se: Obras Públicas, Logísticas e Transporte, com a discussão de planos de obras e cronogramas dos países participantes (Argentina, Brasil, Chile e Paraguai). Também foi discutida a temática Área de Serviço e Centros Logísticos (estrutura de apoio e desenvolvimento de serviços conexos para a otimização do transporte de cargas e o trânsito de pessoas).

Na mesa sobre Produção e Comércio, foram discutidos aspectos como: capacidades, produtos, cadeias de valor, área industrial, fluxo de comércio. Em outro momento, discutiu-se um plano-piloto para a simplificação de procedimentos de fronteiras no Corredor Bioceânico, via Campo Grande/MS – Puerto del Norte de Chile, envolvendo questões de Relações Internacionais e Aduanas. A principal questão é qual o modelo de fronteiras se quer estabelecer.

Por fim, realizou-se um painel com o tema Inovação para o Desenvolvimento Regional, voltado, sobretudo, para o setor privado. Em evidência, uma análise das cadeias de valor para determinação do potencial exportador e de integração regional; a preparação dos portos do Chile para a recepção e embarque de cargas transportadas pelo corredor bioceânico; a exportação de sementes de gergelim do Paraguai para o Japão, via Porto de Angamas; logística, aduana e registros confiáveis de informações relativas ao comércio exterior; e a conexão dos atores globais nas cadeias de produção.

Fonte: Dirin/Aginova