Proadi concentra setores de infraestrutura no mesmo espaço físico

Em reunião com os servidores da Coordenadoria de Projetos e Obras (CPO), o Pró-Reitor de Administração e Infraestrutura, Claudio César da Silva falou sobre a mudança do espaço físico da Unidade para outro prédio, além de apresentar o novo chefe da Coordenadoria, o arquiteto Marlon Perdomo.

De acordo com Claudio, a mudança vai reunir, num mesmo local, os setores de infraestrutura, que são a CPO e a Coordenadoria de Manutenção (CMT). “O objetivo é otimizar os espaços e aproximar os setores, para facilitar o seu trabalho. Em breve pretendemos trazer a Seção de Arquivo Central para este espaço.

O Pró-Reitor enfatizou a importância de aproximar também, o universo administrativo com o acadêmico, por meio de uma parceria com a Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo e Geografia (Faeng). “Com o estímulo dessa parceria, de técnicos com professores e alunos, ampliaremos os campos de estágio para os alunos. Essa troca de experiência entre as unidades é essencial para compreender e estimular essa nova visão de engenharia e arquitetura dos alunos”, declarou.

A CPO tem 40 servidores e ocupa hoje, o prédio onde era localizada a Coordenadoria de Gestão de Materiais, após sua mudança para o prédio das Pró-Reitorias. Para Marlon, chefe da CPO, toda mudança é um pouco difícil, mas contribui para os ajustes da equipe e das divisões. “Vamos aproveitar a mudança para repensar a CPO e reorganizar as divisões, concentrando os projetos e orçamentos de obras e reformas, numa divisão; sustentabilidade, licenciamento ambiental, e projetos de prevenção de incêndio e pânico e bens imóveis, em outra e ainda uma para a fiscalização e gestão de contratos e obras”, explicou.

Além da reorganização e atenção especial aos assuntos de sustentabilidade, licença ambiental e prevenção de incêndios e pânico, uma exigência mais recente na UFMS, a CPO pretende alcançar a meta de projetos para licitação. “É um grande desafio, uma vez que estamos num ano de contingenciamento de recursos. A prioridade é utilizar os recursos de investimento para finalizar obras já iniciadas e reformar o que for necessário. Além disso, precisamos terminar esses projetos em tempo de licitar e empenhar esse ano ainda”, pontuou Marlon.