HUMAP-UFMS realiza cirurgia onco-urológica inédita em MS

A cirurgia durou mais de 10 horas e retirou um tumor maligno renal que invadia o fígado e o coração de um paciente jovem

Uma grande equipe multidisciplinar integrada por urologistas, cirurgiões cardiovasculares, anestesiologistas, perfusionistas, cardiologistas e enfermeiros do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (HUMAP-UFMS), realizou uma cirurgia onco-urológica inédita no estado de Mato Grosso do Sul.

De altíssima complexidade, esta cirurgia retirou um tumor maligno renal de um paciente jovem que, a princípio, foi considerado inoperável, já que o câncer extrapolava os limites do rim direito, invadia a veia cava inferior retro-hepática (maior veia do corpo humano) e atingia ao átrio direito, no interior do coração.

O paciente  D. B. T., de 35 anos, recebeu alta hospitalar neste mês de outubro, em ótimas condições gerais e sem quaisquer sequelas neurológicas ou sistêmicas no décimo dia de pós-operatório, caminhando pelos corredores do hospital sem auxílio direto.

O cirurgião Mário Augusto Freitas, professor da Faculdade de Medicina da UFMS e atual Chefe da Unidade do Sistema Cardiovascular, que integrou a equipe multidisciplinar explica que, devido à altíssima complexidade desta modalidade de cirurgia, é necessário uma grande logística e integração multi e transdiciplinar, planejamento cirúrgico, equipamentos e uma grande estruturação institucional. Este conjunto de eventos, orquestrados adequadamente entre as duas especialidades cirúrgicas envolvidas, permitiu ao HUMAP-UFMS o pioneirismo neste tipo de cirurgia em nosso Estado.

“Para esta cirurgia ocorrer é necessário uma estrutura bastante complexa para sustentar uma hipotermia profunda no intra-operatório bem como um excelente suporte intensivo de pós-operatório, os quais devem oferecer meios para que se recuperem as condições funcionais dos diversos sistemas orgânicos do paciente que são afetados por uma cirurgia de tão grande porte”, afirma o Dr. Mário Augusto Freitas.

Além disto, a grande complexidade anatômica das estruturas envolvidas exige, para que se possa abordá-las com segurança, cirurgiões hábeis e com treinamentos bastante específicos em suas especialidades (urologia e cirurgia cardiovascular), bem como uma grande capacidade de integração entre estas equipes. A abordagem torácica e abdominal combinadas para esta operação é algo desafiador”, afirma o Dr. Amaury Mont’ Serrat Dias, professor da Faculdade de Medicina da UFMS e integrante da equipe multidisciplinar.

“Neste caso a integração de profissionais foi fundamental para o sucesso deste procedimento. O HUMAP-UFMS tem profissionais brilhantes com conhecimento técnico para dar este diferencial no suporte da estruturação da saúde do município de Campo Grande e do estado de Mato Grosso do Sul”, exalta a gerente de atenção à saúde do HUMAP, Dra Andrea Lindenberg.

Expectativas 

O caso do paciente era muito grave e sua expectativa de vida, caso não fosse operado, era muito baixa (entre 3 a 6 meses).  Após a operação, esta expectativa e, principalmente, a qualidade vida do paciente, aumentou bastante.

“Como o paciente não apresentava metástases detectáveis em outros órgãos, com o rigor oncológico obtido na ressecção do tumor e o sucesso atingido pela cirurgia, o paciente passa a ter perto de 60% de chance de atingir e ultrapassar 5 anos de expectativa de vida e tem devolvidas suas esperanças de atingir critérios temporais de cura clínica para este tipo de tumor”, explica o Dr. João Juveniz, professor de medicina da UFMS e integrante da equipe multidisciplinar.

Riscos

Hemorragia de grande volume (ou mesmo incontrolável), danos estruturais aos diversos órgãos (fígado, intestinos e rim remanescente) por isquemia (falta de circulação), alterações metabólicas severas e danos neurológicos com sequelas permanentes são alguns dos principais riscos que a equipe de cirurgia teve que controlar durante o procedimento cirúrgico.

“Os tumores renais são cânceres com altos índices de cura cirúrgica, entretanto, nesta forma de apresentação, pelas dificuldades técnicas impostas pela invasão da veia cava retro-hepática e do coração, ocorre uma inversão no destino destes pacientes, pois são pouquíssimos os hospitais no Brasil que executam este tipo de cirurgia.  Agora, o HUMAP-UFMS integra este rol de instituições que podem auxiliar este grupo de pacientes da Onco-Urologia”, afirma o Dr Mário Augusto Freitas.

Time

Integrantes da Equipe Multiprofissional que participaram da cirurgia:

Equipe de Cirurgia Cardiovascular: Prof. Dr. Mário Augusto Freitas e Prof. Dr. Amaury Mont’Serrat Ávila Dias (cirurgiões); Dra. Carolina Mongenot (auxiliar); enfermeiro José Anderson Goldiano e enfermeiro Douglas de Medeiros (perfusionistas) e enfermeiro Elizeu Ferreira; técnica de enfermagem Marly Gonçalves (instrumentadora); Dr. José Carlos Villa (cardiologia – PO imediato).

Equipe de Urologia: Prof. Dr. João Alexandre Juveniz e Dr. Fábio Galvão Vidal (cirurgiões); Dr Willian Reis (Auxiliar); técnico de enfermagem Cícero Dias (instrumentador) e técnica de enfermagem Jeanny Neves.

Equipe de Anestesiologia: Dra. Vânia Rizzi Berlfein e Dr. Marcelo Tognini.

Vale salientar a importância de todos os profissionais das equipes do Centro Cirúrgico, Central de Materiais e Esterilização e Unidade Coronariana (UCO), que participaram ativamente para que ocorresse o sucesso desta cirurgia.

 

Fonte:  HUMAP